connectivity matters
outubro 26, 2018

Como Fazer o WestWorld no Mundo Real?

Antes de mais nada, você conhece a série WestWorld? Criada em 2016 pela dupla Jonathan Nolan e Lisa Joy, a história se passa em um mundo em que os parques de diversão não são mais feitos de montanhas-russas ou rodas-gigantes. O lazer está na imersão. Por isso, existem ecossistemas que recriam épocas passadas, como o Velho Oeste norte-americano, onde se passa toda a 1ª temporada. Em cada uma dessas representações existem os “Anfitriões”, que são robôs pré-programados que incorporam os papéis de pessoas daquele tempo e estão sujeitos aos desejos (por muitas vezes sádicos) dos “Recém-Chegados”, nomenclatura usada para designar os clientes do parque. A trama começa a se desenrolar quando as máquinas, através do princípio de singularidade voltado à consciência robótica, famoso na ficção-científica, permite que elas se sintam escravizadas e busquem vingança e liberdade dessa vivência sofrida e repetitiva. Produzida pela HBO, a série conta com grandes nomes do cinema internacional, como Anthony Hopkins (Dr. Robert Ford), Evan Rachel Wood (Dolores) e o brasileiro Rodrigo Santoro (Hector Escaton). Sua segunda temporada foi lançada em abril deste ano, sendo sucesso de audiência. A expectativa é a de que o estúdio encomende mais uma temporada, mas sem prazo para divulgação.
Agora que você está inteirado no assunto, acha que seria possível construir um parque como o do WestWorld?
Começando do zero, seria necessária uma área avantajada para implementar uma cidade funcional, mesmo que falsa. Porém, mesmo pensando em custo e locais, é algo possível. Podemos pegar os exemplos da Disney e de Arcosanti – Construída sobre os pântanos da cidade de Orlando, no Estados Unidos, a Disney mantém um império que revitalizou a Flórida com o turismo. Já Arcosanti foi um projeto experimental de comunidade sustentável idealizado pelo arquiteto italiano Paolo Soleri que se baseou em Phoenix, no Arizona (EUA). Ambos utilizaram massivas quantidades de terra e a obtiveram por preços baixíssimos ou até mesmo de graça. Portanto, com uma boa busca, o terreno será o menor dos problemas.
O maior desafio será com a tecnologia, mas em duas frentes: Redes Inteligentes com alta segurança e alcance e Inteligência Artificial (AI) complexa e responsiva.
Quanto à AI, a Cosy, parceira da Rajant Corporation, é especialista no desenvolvimento de software para essa finalidade, focando e sendo líder do mercado por sua funcionalidade e segurança quanto às delimitações dos robôs e equipamentos. A Cosy é capaz de fornecer, com um conhecimento embasado em Big Data/Nuvem, a dinamização e habilitação esperada às máquinas do parque, deixando tudo automatizado, responsivo e divertido! Para conhecer mais sobre a Cosy e suas atividades, assista à entrevista feita pelo nosso Sales Director, Joeval Martins, com Jonas Cleveland, fundador da Cosy e especialista em AI e robótica.
Para solucionar a parte das redes, surge a Rajant Corporation e seu portfólio extenso de equipamentos e software. As redes Kinetic Mesh® da Rajant são robustas e ágeis o suficiente para manterem todas as operações funcionais do parque rodando a pleno vapor, com as conexões entre os robôs e os outros ativos sempre mantidas. Acoplando-a com o software exclusivo InstaMesh® se aumenta a segurança de todo o sistema, sendo eficiente para impedir ataques de hackers e eventuais problemas na estrutura digital do parque. Se for necessário ampliar a área do parque, com novas locações e personagens, isso não será uma dor de cabeça – graças aos rádios BreadCrumb® da Rajant, o raio de atuação da sua rede aumentará e ficará mais forte a cada um deles que for acoplado. Só a Rajant é capaz de dar vida aos Anfitriões do mundo real!
 Para mais artigos interessantes sobre redes inteligentes, IoT, AI, AgroTech e outros assuntos relevantes do mundo tecnológico, acesse https://rajant.com.br/blog/
 Para conhecer o portfólio de soluções da Rajant, entre em nosso site: https://rajant.com.br/